Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Secretaria de Igualdade, Cidadania, Direitos Humanos e Assistência Social
Início do conteúdo

Primeiras Cipteas serão distribuídas na próxima segunda-feira (19)

Solenidade ocorrerá junto ao anúncio dos primeiros centros de referência em TEA no Estado

Publicação:

Cartão com peças coloridas de quebra-cabeças nos cantos. No alto, diz Entrega das primeiras Carteiras de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Ao centro, o modelo da Ciptea e uma tela de computador com o endereço do canal do Youtube.
Governador Eduardo Leite fará a entrega das primeiras Cipteas do Estado

Está marcada a data para a entrega das primeiras Carteiras de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Será nesta segunda-feira (19), às 14h, em solenidade que ocorrerá concomitantemente ao anúncio pelo Governador Eduardo Leite dos Primeiros Centros de Referência em Transtorno do Espectro do Autismo (CRM) e do lançamento do edital para implantação de Centros nas demais regiões. O evento tem restrição de participação por conta dos cuidados de proteção e prevenção à Covid-19, mas será transmitido pelo canal do Governo do Estado no Youtube  e compartilhado nas redes sociais da FADERS Acessibilidade e Inclusão.

O presidente da FADERS, Marquinho Lang, informa que, a partir do lançamento, começará o processo de envio das carteiras de quem já preencheu o formulário. Desde que foi lançada, no último dia 18 de junho, foram recebidas mais de mil documentações de gaúchos com autismo para fazer a Ciptea. As carteiras passarão a ser enviadas a partir da próxima semana para os locais informados no formulário.

A Ciptea foi criada pela Lei Federal 13.977/2020, também conhecida como Lei Romeo Mion (em referência ao filho do apresentador Marcos Mion). O documento produzido pela FADERS, além de atender as especificações da lei, inovou ao acrescentar mais dados no documento e, principalmente, ao incluir um QR Code que remete a uma página com mais informações sobre a pessoa com TEA e seus responsáveis. “A Ciptea é fundamental para as pessoas com autismo ter atendimento qualificado em Saúde, Educação e Assistência Social, por exemplo. A pessoa com autismo não tem traços físicos característicos que a tornam facilmente identificável e, em muitos casos, há dificuldade de comunicação. Este documento vem para tornar a vida destas pessoas mais acessível e inclusiva”, afirmou o presidente Marquinho Lang.

Como fazer a Ciptea – A pessoa com autismo ou seus responsáveis devem acessar o formulário no site da FADERS, onde encontrará também uma cartilha que explica passo a passo o procedimento. Entidades como as APAES estão auxiliando, sobretudo, as pessoas que não possuem acesso à internet ou que tem dificuldades para preencher corretamente o formulário. A Ciptea é totalmente gratuita, e é remetida para o local indicado pela pessoa que preencher o formulário.

FADERS